MDB lança pré-candidatura ao Palácio de Ondina

João Santana é ex-ministro da Integração, e atual presidente estadual da legenda


Tribuna da Bahia, Salvador
10/04/2018 07:29 | Atualizado há 10 dias, 9 horas e 57 minutos

   
Foto: Divulgação/MDB

Da redação

O MDB baiano oficializou ontem a pré-candidatura do ex-ministro da Integração, e atual presidente estadual da legenda, João Santana, ao cargo de governador da Bahia. Em nota, a sigla afirma que, “por se tratar de um emedebista histórico, a notícia foi recebida com grande satisfação pelos dirigentes estaduais e correligionários da sigla que vieram conversar pessoalmente com o mesmo na sede do partido”. Para Santana, “a pré-candidatura de um emedebista é encarada de forma natural e esperada”. “O MDB é um partido cuja tradição é participar dos processos eleitorais do país, com uma importância política na história do Brasil quando encabeçou a luta contra a ditadura, por ser um partido que está presente em quase sua totalidade no estado da Bahia, e por ser a maior estrutura política do país”, afirmou. 

Na manhã de ontem, estiveram na sede da sigla, em conversa com o pré-candidato, lideranças como o ex-prefeito de Canavieiras, Almir Melo, que “veio dar apoio total, integral e irrestrito” à pré-candidatura; José Luiz Jiquiri e Bruno Jiquiri, de Cansanção; Pedro Arnaldo e o pré-candidato a deputado federal Ronaldo Abude, de Itabuna, Osanah Setúval, do MDB de Juazeiro, e Alceu Barros, ex-prefeito de Pedrão.

No final do mês passado, o deputado federal Lúcio Vieira Lima (MDB) já havia anunciado as pretensões do partido. “A Executiva do partido deverá se reunir para decidir, mas já estamos analisando dois nomes, e vamos continuar na oposição no estado. Mas a candidatura do MDB surge por conta do anúncio de Michel Temer em ser candidato a presidente, o partido dele na Bahia tem que formar um palanque para ele”, disse o parlamentar, acrescentando que a intenção não é pressionar o prefeito ACM Neto (DEM). “Quem me conhece sabe que não sou homem de pressionar nem ser pressionado”.  Apesar disso, no entanto, a candidatura não seria consenso na cúpula do MDB nacional, sendo apenas um movimento isolado deflagrado por Lúcio. Segundo a coluna Painel, do jornal Folha de S.Paulo, o artigo 7º da resolução publicada pela sigla não incluiu a Bahia entre os estados onde serão lançados candidatos da legenda.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas