Feirão da Caixa atrai compradores e aquece mercado

No geral, foram poucos mais de 12 mil imóveis entre novos e usados colocados a disposição do público, com preços que variaram de R$ 100 mil a R$ 1,5 milhão


Tribuna da Bahia, Salvador
07/05/2018 08:00 | Atualizado há 15 dias, 16 horas e 14 minutos

   
Foto: Reginaldo Ipê

Por Yuri Abreu

O tempo pareceu curto. Mas os três dias do Feirão Caixa da Casa Própria, realizado em Salvador – o evento também aconteceu nas cidades de São Paulo e Porto Alegre neste fim de semana –, superou as expectativas e foi considerado o melhor dos últimos tempos. Só em termos de público, a esta edição superou a realizada no ano passado, quando 25 mil pessoas circularam pelos diversos estandes que foram montados no Shopping da Bahia da última sexta até ontem.

No geral, foram poucos mais de 12 mil imóveis entre novos e usados colocados a disposição do público, com preços que variaram de R$ 100 mil a R$ 1,5 milhão. Se no ano de 2017 foram postos a venda mais de 17 mil unidades na capital baiana, gerando uma movimentação financeira de R$ 1,5 bilhão, a expectativa é a de que, nesta edição, mesmo com a quantidade de propriedades menor em, esse montante também seja superado. Também em 2017, a capital baiana foi uma das que mais se destacou no evento, com um valor de vendas 204,55% superior ao registrado em 2016.

O balanço oficial será divulgado pela Caixa Econômica Federal nesta segunda-feira. “O feirão foi fantástico, superando o do ano passado. Os números são significativos. O próprio momento da economia está sendo propício. A Caixa fez uma redução significativa na taxa de juros e aumentou a cota de financiamento. A gente tem tido uma procura muito significativa”, comemorou o superintendente regional da Caixa em Salvador, Anselmo Cunha.

De acordo com ele, mesmo que 100% dos imóveis não sejam negociados, o Feirão da Casa Própria serve como uma espécie de termômetro de como vai se portar o mercado imobiliário da construção civil na capital baiana ao longo deste ano. Um dos destaques foi para o estande dos imóveis Caixa, onde existem unidades que foram retomados pelo banco e que foram vendidos com uma cota de financiamento de 80%, um diferencial em relação ao procedimento normal.

“São imóveis em que o valor de venda é abaixo do valor de mercado e foram quase todos vendidos. A gente não tem dúvida de que 2018 vai ser um ano extraordinário, assim como foi em 2017. Vale salientar que a gente precisa desmistificar a questão do crédito imobiliário, já que desde 2014 a gente vem batendo recordes. E, pelo que observamos nos três dias de feira, vamos ter um ano muito significativo no crédito imobiliário”, pontuou Cunha.

Antes do Feirão, a Caixa anunciou que possui um montante superior a R$ 82 bilhões para o crédito habitacional para este ano, o que mantém o banco na liderança do setor com cerca de 70% das operações para aquisição da casa própria. “O crédito é o maior alavancador da economia”, ressaltou o superintendente regional da Caixa. A segunda fase do Feirão da Casa Própria acontece entre os dias 18 e 20 maio, nas cidades de Belo Horizonte, Goiânia, Rio de Janeiro, São Luís e Uberlândia/MG.

Os que deixaram para ir ao feirão no último dia não se deixaram levar pela possibilidade de fechar negócio a qualquer custo. Foi o caso do eletricista Renato Chagas. Ao lado da esposa, ele buscava um apartamento de dois quartos na casa dos R$ 120 mil. “Mas ainda não encontramos nada que nos agrade. Espero que, até o final, a gente consiga achar alguma coisa”, disse. A esperança dele era a mesma do casal Danilo e Natiele Santos, que queriam sair da casa dos pais dele, no bairro de Sussuarana. “Já passou da hora de termos o nosso canto. Tomara que encontremos algo com e que caiba no nosso orçamento”, contaram.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas