Valdemir Santana - Edição do dia 14/5

Armador italiano prepara navio gigante que passa em Salvador e ilhéus


Tribuna da Bahia, Salvador
14/05/2018 08:54 | Atualizado há 8 dias, 15 horas e 21 minutos

   
Foto: Reprodução

A festa nos portos de Salvador e de Ilhéus já era boa com a chegada dos transatlânticos normais, imagina como não fica no final deste ano quando chegar o “MSC Seaview” um gigante em forma de luxo que já está no estaleiro da “Fincantieri”, em Trieste, pronto para ser inaugurado dia nove de junho. O magnata italiano Gianni Onorato (foto) que é o armador, ou melhor, Chief Executive Officer, da “MSC Crociere” prometeu deixar os roteiros oceânicos coalhados com 26 delirantes embarcações até o inicio da próxima década, e cumpre a promessa.

Depois de sair da Itália o navio faz roteiro pequeno na Europa e chega ao Brasil no final do ano. Além de Salvador e Ilhéus, na Bahia, também Santos, em São Paulo, e Búzios e Porto Bello no Rio de Janeiro estão entre os ícones dos roteiros. O navio “MSC Seaview” pode pegar mais de cinco mil passageiros. A entrada dos passageiros é em forma de um átrio com três andares envidraçados e repete o fascínio da escadaria de cristais swarovsky que fica congestionada com a turma tirando fotos. 

O navio que tem toda a movimentação dos passageiros controlada por aplicativo de acesso, tem seis piscinas, onze restaurantes, vinte bares e lounges, e duas tirolesas. Para a cena cultural, teatro, cinema e cassino com shows. Os pirralhos ganham uma chamada área kids.

Depois de “O Paí Ó”, La Gardenberg mostra o bas fond de São Paulo 

Dez anos depois de instigar a cena cultural brasileira com o rebuliço e a música de um cortiço de Salvador, no filme “Ó Paí Ó”, a cineasta baiana Monique Pedreira Gardenberg volta a glamourizar o baixo show business. A exibição no circuito comercial do segundo filme nesse universo, “Paraíso Perdido”, acaba de ser confirmada para a última quinta feira do mês, dia 31. O cenário agora é o bas fond de São Paulo, na Baixo Augusta, região que não dorme na maior cidade do país.

O primeiro filme voltado para o baixo show business de Salvador foi lançado em 2007. Completou, portanto dez anos entre um e outro porque “Paraíso Perdido está pronto desde abril de 2017. No elenco artistas cariocas considerados monstros sagrados da musica brasileira como o roqueiro Erasmo Carlos e o sambista e funkeiro carioca Jorge Mario da Silva. A história é de um artista que tenta refazer a vida numa boate chamada “Paraíso Perdido’

Monique Gardenberg nasceu em Salvador, de uma família tradicional baiana ligada à política e ao agronegócio, com pai emigrante polonês. ela estudou cinema na “Universidade de Nova York” e começou a produzir cinema com curta metragens, como “Insônia’ de 1989. O sucesso começou com “Jenipapo’, no fim dos anos 1990.

A nobreza fluminense filma e divulga o show de Gil 

O show do baiano Gilberto Gil, em Vassouras, para inauguração do “Centro Cultural Cazuza” em memória do músico Agenor de Miranda Araújo Neto, agitou até a nobreza brasileira. A paisagista Maritza de Orleans e Bragança, que é casada com o príncipe Dom Alberto de Orleans e Bragança, gravou o show e postou um vídeo nas redes sócias elogiando a performance do cantor. 

A festa para Cazuza foi comandada por Lucinha Silva Araujo, mãe do artista que morreu em 1990, na Praça Barão de Campo Belo, centro da cidade. O espaço do centro cultural é a casa em que ela nasceu e guarda relíquias do cantor, inclusive uma escrivaninha onde o então garoto estudava. Além de Gilberto Gil também o “Bloco Exagerado” participou da inauguração.

O casal Maritza e Dom Alberto pertence á linha dinástica de Vassouras, na sucessão ao Trono Imperial Brasileiro. Ele é descendente do Rei São Louis IX da França, que viveu no século XIII. Vassouras foi um dos maiores centros da aristocracia rural do Império brasileiro, chegou a ter 25 barões, oito viscondes, uma condessa e dois marqueses.

Musa do tropicalismo ganha série de TV e inspira longa metragem

Depois de todos os aplausos pelo documentário “O nome dela é Gal”, para a rede de televisão por assinatura “HBO Brasil”, a cineasta baiana Dandara Cavalcanti Ferreira prometeu sem alarde que faz também um filme longa metragem sobre a carreira e gloria de Gal Costa, a também baiana que se tornou a grande musa da contracultura brasileira. Mas o interessante é que agora o show business faz a maior campanha para o documentário que foi exibido como série, seja colocado no mercado como “DVD”. 

Dandara, que já namorou com Caetano Veloso, é filha da fotógrafa Holanda Cavalcanti, que trabalhou na “Tribuna! E do ex-ministro da Cultura Juca Ferreira, que também e baiano de Salvador.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas