Em maio, pressão inflacionária foi maior para os mais pobres, diz Ipea

Apesar da aceleração na margem, em 12 meses, a inflação para as classes mais baixas foi menor do que no mesmo mês do ano passado


Tribuna da Bahia, Salvador
11/06/2018 15:00 | Atualizado há 13 dias, 9 horas e 46 minutos

   

A piora no comportamento dos preços de energia e alimentos fez com que, em maio, a pressão inflacionária sobre as classes mais baixas da população fosse maior do que sobre a parcela mais rica, diferentemente do que vinha acontecendo nos últimos meses, conforme divulgação realizada nesta segunda-feira (11), pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). 

Enquanto para as famílias com menor poder aquisitivo a alta foi de 0,41% em relação ao mês anterior, na parcela de maior renda, a elevação foi de 0,38%. No período, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) registrou alta de 0,40%. 

Apesar da aceleração na margem, em 12 meses, a inflação para as classes mais baixas foi menor do que no mesmo mês do ano passado. Além disso, no acumulado de 12 meses, ainda é 2,2 vezes menor que a das classes mais altas. 

Apenas as faixa de renda média-alta e alta registraram inflação maior em maio de 2018 do que em maio de 2017. A elevação do preço dos combustíveis pressionou os custos de transportes das famílias mais ricas, que subiu 0,13% na comparação com abril. 

Nas faixas de renda mais baixa, os gastos com transporte subiram apenas 0,04% e o grupo que mais pressionou a inflação foi habitação, com aumento de 0,18%.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas